Covid-19: Secretaria de Saúde monitora o avanço da doença em Ituiutaba

A Secretaria Municipal de Saúde, através do Departamento de Epidemiologia, desenvolve um monitoramento detalhado em relação ao avanço da Covid-19 em Ituiutaba. A pedido do secretário William Palis, foram elaborados gráficos que mostram informações diversas aos profissionais da área, entre elas, a média de idade e sexo das pessoas infectadas que foram a óbito, bem como, se apresentavam ou não alguma comorbidade associada.

Outro gráfico, atualizado sempre às segundas-feiras, mostra o número de casos positivos, com resultados obtidos através da realização de exames e testes realizados (RT-PCR/Antígeno/Sorologia). No gráfico em anexo, é possível avaliar que a partir da 26ª semana houve um crescimento considerável no número de novos casos.

O pico observado até então, aconteceu na 36ª semana, compreendida no período de 31 de agosto a 6 de setembro, quando foram registrados 580 casos positivos. Na semana seguinte, de 7 a 13 de setembro, foram computados 517 novos casos, ou seja, 63 casos a menos que na semana anterior. Esta desaceleração mudou também o sentido da linha no gráfico de casos de Covid-19 em Ituiutaba, que já vinha subindo ou apresentando leves oscilações, há dez semanas seguidas.

“É muito importante termos estas avaliações formatadas em gráficos, pois nos permite visualizar melhor a situação da doença no nosso município, bem como, nos antecipar na tomada de medidas que possam contribuir com a redução do índice de contágio e até mesmo de óbitos”, disse o secretário municipal de Saúde, William Palis.

No último levantamento fechado na segunda-feira passada (14 de setembro), Ituiutaba registrava 65 óbitos, sendo 37 homens com média de idade de 72,7 anos e 28 mulheres com média de idade de 73,3 anos. Das 65 pessoas que morreram depois de testarem positivos para o novo coronavírus, boa parte apresentava algum tipo de comorbidade. Do total, 16 eram hipertensos, 14 apresentavam obesidade, nove tratavam de diabetes e cinco faziam tratamento de câncer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *